UX Writing: taxonomia e linguagem conversacional

A construção de um bom diálogo entre a interface digital e o usuário é a função mais nobre do UX Writing. Conheça alguns frameworks que podem ser usados neste trabalho.

Por Charlley Luz
Consultor em UX e Diretor da Feed Consultoria

 

Desde que venho estudado UX Writing e seu impacto na área de UX me deparo com algumas situações que se referem ao posicionamento desta atividade. O UX Writing jamais pode ser desmerecido, pois a sua aplicação é um diferencial na construção de produtos digitais eficientes e altamente comunicacionais.

O lado mais ordinário (e que já vi acontecer muito com a Arquitetura da Informação – AI) é achar que UX Writing cuida de preencher os LOREM IPSUN e os espaços marcados pelo designer de interface nos wireframes disponíveis. É uma espécie de comoditização da missão e da atividade, o que ocorreu muito com a AI no começo da década de 2010.

O outro lado é o que já consagra a área de UX Writing como uma nova função no processo de criação de produtos digitais: UX Writing determina a presença digital de empresas e instituições, sendo responsável por estipular a relação com os usuários.

O UX Writing vai atuar desde o princípio de um projeto, acompanhando os times de design e pesquisa, seguindo o tom e voz previamente definidos e criando diálogos entre a interface (que é a empresa/instituição em si) e o usuário final, cliente ou potencial cliente. Isso, no mundo onde o mobile é a principal forma de navegar, mostra a importância desta missão.

UX Writing: uma nova profissão com uma antiga missão?

A linguagem conversacional sempre viveu na oralidade, mas agora com o advento das interfaces gráficas, principalmente para uso mobile, se torna uma série de sugestões de ações, metáforas e comandos organizados em fluxos. Mas nada diferente do que já se sabia: a interface em si, segundo grandes especialistas como Steven Johnson, é um espaço semântico, carregado de conceitos, que são ofertados por meio de links escritos.

Porém, por mais gráfica que seja uma interface, que utilize os melhores ícones e consiga ser o mais intuitiva possível – utilizando-se das affordances – sempre haverá espaço para textos, frases ou palavras. A interface digital, utilizando os recursos de navegação gráfica disponíveis, não vive sem o texto.

Framework de UX Writing

A maioria das ferramentas do framework de UX Writing são ferramentas que já existem. Quando o writer está junto da equipe de pesquisa, levantando o comportamento (modelo mental) e o vocabulário e linguajar do usuário, por exemplo, irá usar personas, pesquisas de focus group e brainstorm. Ele pode acompanhar e, inclusive, aplicar estas ferramentas.

Quando está validando protótipos pode, também, anotar sensações e emoções geradas pelo produto em testes de usabilidade, por exemplo. Estas ferramentas sempre serão direcionados para os conceitos que giram no entorno da realidade do usuário e do produto ofertado.

Assim, as ferramentas de um UX Writer acompanham os processos de design, priorizando a identificação do modelo mental do usuário. Cabe destacar duas ferramentas que são adicionadas pelo writer neste framework típico de UX que é a taxonomia e a linguagem conversacional.

A taxonomia espelha o universo semântico – o domínio de conhecimento – dos usuários. Várias fontes são utilizadas para isso e os melhores métodos estão definidos pela área da ciência da informação. Existem até normas internacionais para isso. A NISO Z39.19 é imperdível neste sentido.

Mas com certeza o maior impacto é a linguagem conversacional. Este conceito que surge na linguística e tem seu auge de estudos na década de 1970 renasce com a UX Writing. Nas telas com microinterações e com a realidade mobile-digital, se destaca quem conversar melhor com seu usuário.

O ressurgimento da linguagem conversacional estabelece o desafio para os próximos anos aos profissionais da escrita de UX: criar diálogos fluídos nas interfaces, utilizando a linguagem natural do usuário e oportunizando a melhor experiência ao usuário.

 

Vamos conversar mais sobre UX Writing?
Em fevereiro de 2020 eu e meu sócio, Magerson Bilibio, estaremos ministrando o curso “UX Writing: da Experiência ao Conteúdo” na ESPM em São Paulo

Saiba mais e faça sua inscrição

Conheça nossos produtos de UX Writing

Tags:, , , , , ,